As 6 dimensões do Bem-Estar


Pode-se depreender que Bem-Estar é um processo ativo que nos permite focar conscientemente, construir resiliência e prosperar nos desafios da vida.

Para que tal processo vá acontecendo é necessário que façamos escolhas conscientes envolvendo a autorresponsabilidade por melhorar a qualidade de vida na adoção de mudanças em diversas áreas da vida, resultando daí elevados níveis de Bem-Estar.

A escolha consciente do estilo de vida poderá ter por base o modelo das 6 dimensões de Wellness desenhado por Bill Hettler, fundador do National Wellness Institute, na década de 70 nos EUA. 

Assim, numa tentativa de significação, poderemos elencar o seguinte de cada uma das dimensões:

Dimensão Ocupacional: satisfação pessoal e desenvolvimento ao longo da vida através do trabalho.

Dimensão Intelectual: as atividades estimulantes, criativas que guiam a aprendizagem, o crescimento pessoal e partilha de talento com os outros

Dimensão Emocional:  a consciência e aceitação das emoções e a capacidade de gerir comportamentos relacionados com o estado emocional.

Dimensão Social: contribuição para a comunidade, ambiente e relacional.

Dimensão Espiritual: procura de sentido e propósito na existência humana.

Dimensão física: auto-cuidado e comportamentos que melhoram a saúde física.

Com base neste possível sentido, qual seria a sua prioridade?

Aldina Costa

TransforACtion coach, Lider dao Comité de Wellness ICF

Publicado em Coaching | Deixe o seu comentário

O que é Bem-Estar para si?


Se partimos de Bem-Estar como uma série de escolhas positivas que são feitas para viver a vida em pleno, o que para si o influencia?

  • carreira profissional agradável e preenchida
  • recursos financeiros
  • alimentação equilibrada (comida e água)
  • descanso suficiente
  • uma relação saudável com o/a parceiro
  • uma rede de amigos e familiares
  • um sentido de pertença
  • capacidade de se adaptar as mudanças – resiliência
  • ambiente seguro
  • sentido de propósito e significado

Sabemos que todos os fatores mencionados estão interrelacionados.

Voltando à questão inicial: o significa Bem-Estar para si?

Inclui:

  • Os relacionamentos (social)
  • As emoções (emocional)
  • O corpo (físico)
  • O pensamento (intelectual)
  • Os recursos e a carreira (ocupacional)
  • O propósito e significado (espiritual)?

Mais do que nunca é critico considerar o Bem-Estar a partir de uma perspetiva holística – as 6 dimensões de Bem-Estar.

Aldina Costa

TransforACtion coach

Publicado em Bem-Estar, Coaching | Tags , | Deixe o seu comentário

Wellness

As palavras Sáude e Bem-Estar (Health and Wellness) ou só Wellness ou Wellbeing  estão por muitos artigos nas redes socias, blogues e outras fontes.  Enquanto a palavra Saúde é na generalidade bem entendida a palavra Bem-Estar (Wellness ou Wellbeing) não é.  

Então o que é Bem-Estar?

Não há uma definição universalmente aceite, no entanto, em todas as definições que encontrei (Merriam-WebsterOxford DictionariesDictionary.com; National Wellness Institute ) existem elementos constantes:

  • Bem-Estar é algo que é escolhido para ser atingido. É uma escolha que se faz na vida e que requer contante esforço para ser atingido.
  • Enquanto associado a um estilo de vida saudável, o Bem-Estar vai para além dos confins de boa saúde. Engloba uma perceção positiva do corpo, mente e alma, e talvez mais controlável do que a saúde.
  • Bem-Estar tem várias dimensões e pode ser visto como uma qualidade, estado ou um processo.

Pode parecer emaranhada a definição. Não é. Poderá pensar em Bem-Estar como uma série de escolhas positivas que são feitas para viver a vida em pleno.  Retomarei o conceito de Saúde, no entanto não é ausência de doença.     

Aldina Costa

TransforACtion coach

Publicado em Bem-Estar | Deixe o seu comentário

Alimentação versus Dieta

Alimentação é o processo pelo qual o organismo, como um todo, obtêm e assimila alimentos ou nutrientes para as suas funções vitais: crescimento, movimento, reprodução e manutenção da temperatura do corpo. Diremos que, alimentação é um conjunto de hábitos e substâncias que o homem usa, não só por necessidade de manter as funções vitais, mas também como um elemento de cultura para manter ou melhor a sua saúde.

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra “dieta” está associado a uma forma de conter o peso e para manter ou melhorar a sua saúde. Sempre que a palavra dieta vem à mente, o inconsciente já sabe que é algo que tem início, meio e que terminará em algum momento. Se o fim demorar a chegar, os mecanismos de sabotagem entram em ação para terminar com aquela dieta.

Será importante definir saúde, dado que é o conceito, que usando a analogia matemática, é o denominador comum na alimentação e na dieta.

A saúde é um bem que não podemos quantificar, comprar ou trocar! Provavelmente por ter estas características básicas e simples torna-se um dos aspetos mais importante da vida.

Quando perguntamos às pessoas se elas são saudáveis, geralmente dizem que sim. A forma mais usual de definir saúde é pela ausência de doença – pensamos que se não estivermos sob a alçada de um médico ou a tomar medicamentos receitados por aquele, então, devemos estar com saúde. Num sentido é absolutamente verdade. Mas olhar para a saúde com esta perspetiva tão restritiva – ausência de doença – estamos a cometer uma injustiça connosco e de certa forma a defraudar o que a saúde pode realmente ser.

A saúde deve ser vista como um “continuum” e foi imaginada em 1972 por John Travis.

Indo do centro para a esquerda mostra um estado de saúde progressivamente piorando. Movendo-se do centro para a direita mostra o aumento dos níveis de saúde e bem-estar. O paradigma de tratamento (drogas, ervas, cirurgia, psicoterapia, acupuntura e assim por diante) pode levá-lo até o ponto neutro, onde os sintomas da doença têm sido aliviados. O paradigma de bem-estar, que pode ser utilizado em qualquer ponto do continuum, ajuda a mover-se em direção a níveis mais elevados de bem-estar.

O paradigma de bem-estar direciona-nos além do neutro e incentiva a movermo-nos, tanto à direita quanto possível. Não é para substituir o paradigma de tratamento do lado esquerdo do continuum, mas trabalhar em harmonia com ele. Se está doente, então, tratamento é importante, mas não pare no ponto neutro.

Por exemplo a obesidade não deve ser encarada como uma doença, apenas como um sintoma que se instalou no corpo devida à perda de saúde.

Para mim, alimentação ou a dieta, são os alimentos que eu escolho comer, sejam eles crus ou cozinhados.

Falar de alimentos também pressupõe falar de digestão. O corpo é muito sábio e particularmente no processo de saúde, pois ele faz sempre o seu melhor em nosso benefício. Digerir é o processo de tornar coisas grandes em mais pequenas, e as coisas são os alimentos.  Os amidos, as proteínas e as gorduras são decompostas nos respetivos componentes básicos: açúcares, aminoácidos e ácidos gordos.

Então a digestão começa na boca com a mastigação. No estômago, com um nível de ácido elevadíssimo decompõe-se os alimentos, fazendo o bolo digestivo que passará para o intestino delgado onde a vesícula e o pâncreas são chamados com as respetivas enzimas. É no intensivo delgado que tudo acontece. Os hidratos de carbono, sob a forma de amidos são convertidos em glicose, as proteínas são desintegradas em aminoácidos. É na parede intestinal que se dá absorção e aqueles componentes entram na circulação e vão diretamente para o fígado. Aqui podem ser armazenados ou usados como energia ou como componentes básicos para o crescimento e reparação do corpo.

A parede interna do intestino é repleta de rugas, chamadas de vilosidades e microvilosidades de uma importância elevadíssima, pois é aqui que se dá absorção. Os capilares sanguíneos e a linfa estão nessas vilosidades para absorver os nutrientes. A linfa absorve os lípidos e os capilares sanguíneos absorvem os prótidos, os minerais, as vitaminas e os glícidos.

Esta é uma parte muito importante da saúde – o intestino –  e é onde a maior parte dos problemas de saúde começa.

Se o forro do intestino não estiver são, os hidratos de carbono e as proteínas podem ser absorvidas da mesma forma, embora ineficazmente, mas as gorduras não são absorvidas. Aqui se inicia um problema grave da alimentação, visto que uma quantidade notável de nutrientes só pode ser absorvida pelo corpo quando é ingerida gordura! Facto ignorado pelo quem defende uma alimentação baixa em gordura.

O consumo de alimentos altamente refinados – a que chamo produtos e não alimentos – podem alterar este processo, fazendo com que alguns nutrientes sejam incorretamente absorvidos. É muito importante alimentarmos as bactérias que vivem no intestino e a membrana muscosa do mesmo.

A seguir vem o intestino grosso e o colon. No intestino grosso é onde se absorvem os minerais e a água.

Em jeito de conclusão e afim de melhoramos constantemente a nossa saúde devemos escolher alimentos na sua forma natural, crus ou cozinhados, e cuidarmos do sistema digestivo. Cozinhar o menos tempo possível, não misturar muitos alimentos e não esquecer que a digestão começa com a mastigação. Se seguirmos estes princípios básicos começaremos a ter mais saúde.

 

Publicado em Bem-Estar | Tags , , , | Deixe o seu comentário

Como o corpo responde ao stress

A gestão do stress é um dos pilares de um estilo de vida saudável. De vez em quando todos nós sentimos stress. De facto, é tantas vezes, que poderemos pensar que estar stressado, ansioso, irritável, dependente de cafeína ou ter desejos parece ser normal no comportamento humano.

O que é que acontece quando estamos stressados?

Primeiro o corpo não distingue entre stress verdadeiro daquele que é percecionado, o que significa, não interessa que tipo de stress estamos a sentir, o corpo responde da mesma forma.

Quando o corpo perceciona stress, o sistema nervoso responde aumentando a batida do coração, o nível de glicose no sangue, a tensão muscular e a estamina. É o estado conhecido, como “lutar ou fugir”.

Nos dias correntes, sentimos estados de stress muito mais vezes e muito mais prolongados do que antes, e a forma natural de resposta do corpo, pode ser a raiz de alguns problemas de saúde incluindo fadiga, ganho de peso e desequilíbrio hormonal.

Vejamos de que forma o stress pode causar impacto no corpo e energia.

Stress e o corpo

Stress, que é visível ou não, tem uma resposta fisiológica no corpo e na energia.

No tipo de resposta “luta ou fuga”, o corpo pede mais produção de energia na tentativa de lidar com a situação, o que requer mais nutrientes.  Não só são necessários mais nutrientes para lidar com esta necessidade acrescida de energia, como também os nutrientes são necessários para suportar o sistema hormonal. Assim que a resposta “luta ou fuga” entra em ação, há uma libertação de hormonas por parte da suprarrenais. São as mesmas hormonas que durante o dia nos mantem ativos e acordados.

Obviamente com o aumento do stress diário estamos a usar recursos que de outra forma seriam usados para gerir o sistema hormonal. Talvez seja uma das razões porque nos sentimos exaustos, não só porque sentimos stress real ou percecionado em maior escala e também porque não temos nutrientes para colmatar a situação. Quando não damos ao corpo o que ele precisa, ele não funciona bem e leva muito mais tempo para recuperar.

Stress e a energia

Stress tem um impacto em todos os sistemas no corpo e afeta as pessoas de diferentes formas.

Normalmente sentimos exaustão depois do elemento “stressor” ter passado e já não é necessário manter o estado de “luta ou fuga”. Contudo, o que isto significa, é que o estrago já está feito.

No entanto parecendo ou não que os seus níveis de stress estão fora de controlo, há alguns elementos “stressores” que podem ser ativamente controlados. Se notamos que nos sentimos ansiosos ou stressados, então faz sentido centrar-se naqueles, para os minimizar.

  • Stress ambiental – estamos cheios de toxinas em nossa volta! Tendencionalmente procurarmos estimulantes durante o dia que podem ser: bebidas alcoólicas, café, produtos refinados e açúcar. Pois bem, aqueles colocam stress no fígado e intestinos, pelos que devemos evitá-los.
  • Stress físico – exercício físico com a intensidade exata para o seu estilo de vida é fantástico e é um exemplo de expor o corpo ao stress certo para uma adaptação positiva para que as mudanças ocorram.

Contudo, quando nos sentimos com níveis de stress elevados, exercício físico extenuante é muito para o nosso corpo. Para algumas pessoas é mais vantajoso uma caminhada, ou uma boa sessão de ioga, em vez de um exercício de alta intensidade.

  • Stress emocional – Pensamentos e emoções que advém de diversas causas: luto, trabalho, família situação financeira podem criar níveis elevados de stress na nossa vida. Este é sem dúvida um exemplo do que se pode chamar stress percecionado. Estimula as mesmas respostas que o stress real, e o corpo prepara-se da mesma forma sendo que tecnicamente o perigo não existe.

Muito do nosso stress emocional é evitável, mas o que podemos controlar é como o nosso corpo reage e coopera como stress. Criar um espaço/tempo à sua medida para aquietar a mente, pode ser uma atividade que ajude a gerir o corpo para se manter calmo e adaptado ao stress.

Perceber o nosso corpo e desbloquear a energia que precisamos, são aspetos muito importantes para ganhar consciência corporal.

Afinal ter a energia que precisamos para fazer aquilo que mais gostamos é o melhor que podemos dar a nós próprios.

 

Aldina Costa

The TransforACtion Coach

Publicado em Coaching | Tags , , , , , | Deixe o seu comentário

Estilo de Vida

Numa destas semanas, li no semanário Expresso, um artigo de opinião do Secretário de Estado -adjunto da Saúde, Fernando Araújo, a apelar à iniciativa das Autarquias com o seguinte título: Todos a fazer ginástica e a comer bem.

Um em cada 10 portugueses sofre de diabetes.

Um em cada quatro é hipertenso.

E um em cada dois é obeso ou tem excesso de peso. E continua….

Realmente estes números fazem-nos pensar. Enquanto a industria de “fitness” cresceu significativamente nos últimos 20 anos, a obesidade e as doenças relacionadas com o estilo de vida continuam a aumentar.  Se se combinar as variáveis: a ultima geração do exercício com a programação do tipo de alimentação, a industria do “fitness” e a nutrição já deveriam ter ajudado a reduzir este tipo de problemas.  O que sabemos é que isso ainda não aconteceu. Há milhares de pessoas em procura de uma mudança saudável pelo que é necessária uma abordagem diferente.  Essa abordagem passará pela definição de um estilo de vida.

Estilo de vida é a forma como a pessoa vivência a vida!  Este manancial de vivência inclui o modo como pensa, o modo como atua, e as escolhas que faz nas diversas componentes do SER.  Parece simples, pois apenas envolve, saber o que se quer, escolher e fazer. Parece um processo de transformação para a ação (TransforACtion)!

Temos que escolher ir nas profundezas do íntimo, identificar o que precisa de ser mudado, transformado ou mesmo curado. Só este processo de desenvolvimento pessoal nos leva a um novo entendimento, que será o estimulo para os que objetivos emerjam.

Aqueles números fazem-nos pensar, sobretudo sabendo que os hábitos alimentares inadequados são o principal fator de risco, e que segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) 80% das mortes por doenças cardiovasculares e diabetes poderiam ser evitadas com alteração de comportamentos.  É indiscutível que se tem essa consciência coletiva, caso contrario, não estariam no topo das resoluções do Ano Novo, a ida ao ginásio e perda de peso.

Desenhar o estilo de vida que se quer exige desenvolvimento pessoal. Exige desmiuçar o Ser e os hábitos. Centra-se diretamente nos assuntos que influenciam o físico e a mente ajudando a cultivar e a desenvolver a relação mente-corpo, enquanto dá resposta às principais áreas de bem-estar: alimentação, movimento, descanso e gestão de stress (emocional).  A abordagem mente-corpo ou holística, usa uma metodologia que está enraizada em poderosas técnicas que afetam mutuamente: corpo, pensamento, emoções e comportamentos.  Esta forma leva a melhorias continuas e duradouras que estabelecem tendências de estilo de vida onde as metodologias tradicionais têm falhado.

As estratégias de desenho de estilo de vida centram-se em mudanças de hábitos em vez de programação de rotinas ou soluções.  Apenas sabemos que o “movimento” ou a ida ao ginásio é importante, no entanto, necessita que a base da mudança de vida aconteça, as quais incorporam múltiplas facetas do bem-estar. Facilitando suporte passo a passo e orientação nos vários tipos de comportamento, os coaches literalmente ajudam os seus clientes a desenvolver elevada consistência e autorresponsabilização no que diz respeito aos seus hábitos.

Aldina Costa

TransforACtion Coach
Publicado em Bem-Estar, Coaching | Tags , , , , | Deixe o seu comentário

Confiança

De acordo com o dicionário Priberam, confiança é a coragem proveniente da convicção no próprio valor. Interessante.

Significa que se tem mais valor do que os outros?

Significa que se  é melhor que os outros?

Estes pensamentos e emoções poderão ser resultado do uma autoestima baixa. Autoestima  baixa muitas vezes é igual a autoconfiança baixa. Poderemos pensar que confiança e ego são a mesma coisa.  Com esta confusão acerca da noção de confiança acabamos por acreditar e associar certas características sobre o que é a confiança. Se a vemos como ter um grande ego, então é compreensível que pensamos que alguém com um grande ego é confiante. O desafio é retirar “essa lente” que nos indica isso e colocar uma nova lente. Ego é falta de confiança.

Quando começamos a perder confiança, começamos a ter dúvidas. Vamos á procura de reconhecimento. E é aí que o ego também aparece.

A confiança ganhasse de variadas formas. Sentimos confiança  quando atingimos algo que está alinhado com o que acreditamos e com os nossos valores.  Perdemos confiança quando estamos indecisos e incertos e naturalmente duvidamos de nós.  Não precisamos de tomar uma decisão como se houvesse certo ou errado. Aprendemos com tudo o que fazemos. Então quando tomamos decisões devemos pensar o que é melhor para nós no momento. Ganharemos novas perspetivas. O melhor mesmo é tomarmos a decisão e andar para a frente. Cada passo que de se dá em direção ao futuro contribuirá para a confiança. Acreditar é parte deste processo e acreditar no nosso sistema interno – a intuição – leva-nos para onde precisamos de ir para alancar o nosso propósito de vida.

Aldina Costa

TransforACtion coach

 

Publicado em Coaching | Tags , , , , | Deixe o seu comentário

Mindfulness versus Mindlessness

Há muito tempo que monges e pessoas místicas usam as praticas de meditação para dissolver a fusão entre o pensamento e o pensador, impulso e ação, libertando a mente de algumas limitações e distorções.

“Estar no presente” é a frase que muito se ouve. A ideia é que a mente indisciplinada é facilmente distraída, no vai e vem entre o passado e o futuro, pegando em memórias do passado e de certa forma projetando-as no futuro. É só quando estamos no presente, sintonizados com o agora que podemos lidar com o momento de uma forma emocionalmente ágil. Esta é a técnica do “mindfulness”.

Há um sem fim de benefícios de praticar esta técnica. Infelizmente o termo tornou-se um chavão, especialmente no seio das organizações, e nota-se uma certa reação negativa.

Para muitas pessoas, a prática parece envolta numa linguagem floral à volta de lugar distante.

Talvez por isso seja mais fácil perceber o que é mindfulness se nos centramos no seu oposto: mindlessness.

Mindlessness é o estado de inconsciência e auto piloto. Não se está realmente presente. Em vez disso estamos profundamente dependentes de regras rígidas ou coisas banais que não pensamos.

Sabemos que estamos mindless quando:

  • Quando nos esquecemos de nome de alguém logo que o ouvimos;
  • Quando se deita para o lixo uma coisa e guarda os papeis que o embrulham;
  • Se não se lembra se fechou a porta de casa;
  • Quando está focado no que há de vir e se esquece do que precisa neste momento.
  • Quando se come ou bebe sem realmente ter fome ou sede
  • Sente uma emoção sem saber de onde ela veio.

Por oposição, o estado de mindfulness permitem-nos observar os pensamentos e as emoções inconfortáveis, em vez de nos emaranhamos nelas.  Quando estamos conscientes da nossa irritação, podemos observar essa emoção com sensibilidade, foco e clareza emocional. Talvez até descobrindo de onde é que a irritação vem. Até podemos descobrir que a “irritação” é realmente tristeza ou medo.

Mas a consciência calma – de apenas SER – que é associada com o cerne da “mindfulness” não vem facilmente para muitos.

Aldina Costa

The TransforACtion coach

 

Fonte: Emotional Agility de Susan David
Publicado em Coaching | Tags , , , | Deixe o seu comentário

Criar consciência

Consciência é um aspeto fundamental da nossa vivência. No entanto consciência não é reparar nos outros, como é que eles fazem coisa, ou como eles nos impedem de fazer certas coisas ou nos limitam a nossa atividade. Muita da noção que temos da consciência é sermos conscientes dos outros e como elas nos afetam. Nós muitas vezes consideramo-nos conscientes porque reparamos em tudo que as pessoas fazem em nosso redor. Reparamos nos resultados dos outros, nos ganhos, no que têm. Estamos conscientes do que os nossos vizinhos têm e não têm, estamos conscientes da excelente relação que alguém tem ou não tem, da carreira. Parece que estamos conscientes da vida maravilhosa que os outros têm e até algumas vezes pensamos que foi atingida à custa da perda de alguns aspetos da nossa. Parece que a nossa consciência com o tempo se torna em desconfiança.

Contudo, consciência é ter foco no interior e não no exterior. Consciência é saber como respiramos, os nossos padrões no nosso dia-a-dia. Consciência é perceber a nossa conexão como universo é conhecer a nossa crença, a nossa mente, o corpo. Já muita gente escreveu acerca disto. Porém o primeiro passo para criar consciência é reconhecer que se quer.
A minha questão hoje é essa mesma: quer criar consciência?
É como se estabelecêssemos um caminho de aprendizagem na nossa vida. Aprender mais acerca de nós é como desenvolvermos a pessoa que somos, seja na vida pessoal seja profissional. Se escolhermos não ser auto consciente estagnamos na vida e não crescemos.
É isso que não quer, com certeza!? Se quer dar uma viradela na sua vida não haverá caminho com menos resistência do que usar enveredar por um processo de coaching!

Aldina Costa

TransforACtion coach.

Publicado em Coaching | Deixe o seu comentário

O que o coaching não é

Como “profissão nova” que é, pouco conhecida e divulgada, é uma metodologia que assenta em muitas outras profissões, incluindo: psicologia, consultoria, ensino de adultos, inteligência emocional etc. Contudo o coaching é uma filosofia única e diferenciada das referidas.

Coaching  e terapia

Coaching não é terapia, aconselhamento ou psicologia. Pode parecer que usa algumas das abordagens que esta usa, mas não é uma intervenção terapêutica. Uma das mais óbvias diferenças entre as duas, é que terapia se foca em escarafunchar sentimentos, emoções e experiências, enquanto que o coaching é orientado para estabelecer objetivos no momento presente e encoraja a ação em direção ao futuro. Muitas vezes um terapeuta trabalha uma pessoa disfuncional. Em coaching a pessoa tem que estar funcional para ser excecional.

Se sistematicamente o cliente volta a assuntos do passado, é um alerta para o coach que o cliente não está em situação de continuar um processo de coaching, e assim deve referi-lo para um colega terapeuta.

 Coaching e consultoria

O coaching também está muitas vezes associado a consultoria, contudo há diferenças distintas nestas disciplinas. Um consultor é um especialista numa determinada área. Trabalha com um cliente para resolver um determinado problema e por isso são contratados para dar soluções, e para resolver assuntos da especialidade. Quando esses assuntos e problemas estão resolvidos, o consultor acaba o seu trabalho.

O coaching usa uma abordagem mais holística – pelo todo. O coach em parceria, lado a lado com o cliente, examinam a situação, criam o plano e resolvem. O coach não tem que ser um especialista no problema do cliente. É o cliente que sabe o que é melhor para ele, como fazer ou o que fazer para atingir o que se propõe.

É também razoável que as pessoas ou as empresas selecionem coaches com experiência nas   áreas que pretendem desenvolver, mas a metodologia que o coaching usa não requer essa especificidade.

Os consultores constroem os seus negócios baseados na experiência que adquiriam ao longo dos anos de trabalho em determinada área e na qual se tornaram consultores. Deles é esperado pareceres e informação precisa. Dos coaches não são esperadas respostas, nem eles se apresentam dessa forma.  Ele tem as questões que permitem aos clientes encontrar as suas próprias respostas e definir os seus valores para que se sintam alinhados e coerentes.

Coaching e mentoring

Um mentor passa o seu conhecimento e sabedoria à pessoa que acompanha, e por isso, esta o procura para aconselhamento e orientação.

Tal como na consultoria e mentoring o objetivo é passar informação e conhecimento adquirido com experiência. A relação de coaching é baseada numa parceria em que ambos caminham lado a lado, sendo que o cliente se fundamenta na sua própria sabedoria e intuição.

Qual é a diferença entre coaching Executivo, Coaching de Negócio e Coaching Empresarial?

 O tipo de cliente é quem distingue estes 3 tipos de coaching.

Coaching Executivo é normalmente solicitado por administradores e diretores de empresas de média e grande dimensão. As preocupações principais são questões de desempenho profissional/pessoal, equilíbrio, comunicação ou outras.

Coaching de Negócio também trabalha com executivos, e também em empresas de média e grande dimensão, mas mais ao nível da definição dos objetivos estratégicos do negócio.

Coaching Empresarial trabalha com sócios e gerentes de pequenas e microempresas. Os assuntos vão desde desempenho na vida profissional/pessoal, ou objetivos específicos (como aumentar as vendas em x%).

Volto a referir que a metodologia de coaching não requer esta especificidade, todavia existem razões para que isso aconteça: em geral os coaches que trabalham em executivo e negócio teriam sido administradores ou diretores gerais, os coaches empresarias teriam tido o seu próprio negócio. Também ajuda a criar empatia ou a perceber o cliente, particularmente em relação à linguagem e cultura. Um coach de Negócio que não saiba o que são indicadores chave ou elementos de um plano estratégico, terá grandes desafios. Outra razão é de marketing.

Há um ditado que diz todo o coaching depois de 3 sessões é “life Coaching”. Pode ser que o objetivo seja a estratégia, as vendas, mas rapidamente se concentram em assuntos que rondam as relações entre as pessoas, a comunicação, o equilíbrio entre trabalho e família, um novo estilo de vida, etc…

Aldina Costa

TransforACtion coach 

 

Publicado em Coaching | Deixe o seu comentário